Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Dinheiro há
Dinheiro há...
Publicado no Leopoldinense, 24 de agosto de 2012

Que existe uma crise econômica e financeira grave, a nível internacional, é verdade. Que a crise começa a afetar o Brasil também é verdadeiro. Que os funcionários públicos, civis e militares, têm uma vantagem adicional que é a estabilidade e a aposentaria integral é um fato real. Mas que estes mesmos cidadãos e cidadãs estão passando dificuldades, por falta de uma recomposição dos seus salários, é outra verdade que não pode ser esquecida. Há anos que parcelas expressivas do funcionalismo não têm um aumento sequer, para recompor, pelo menos, as perdas com a inflação que, apesar de baixa, comparando com um passado recente, ao longo de vários anos corroeu substancialmente as remunerações recebidas. Para milhares de funcionários públicos, ativos ou aposentados, o ultimo reajuste ocorreu em junho de 2007.
Examinando a questão, com tranqüilidade e imparcialidade, as greves que estão eclodindo em todo o país são, pelo menos, compreensíveis – não há outra alternativa para os funcionários públicos se fazerem ouvir a não ser de incomodar a população com um praticamente grito de socorro: “precisamos de compreensão e apoio”, parecem dizer. Há anos que o funcionalismo publico federal e os militares são enganados com mentirosas promessas de planos de carreira inteligentes e salários compatíveis com a responsabilidade das funções que exercem.
Com cerca de um milhão de funcionários públicos, os grandes e escandalosos salários – mais de trinta mil reais – não chegam a mil, (com certeza exagerando para não ser contestado): 0,1% do funcionalismo. No restante, um grupo recebe remunerações razoáveis, em média doze mil reais, para cargos de nível superior do Banco Central, da Receita Federal, do Ministério Publico. O restante, cerca de 85%, não ultrapassam, no fim de carreira, cinco mil reais. Os professores, das universidades federais, estão em greve há mais de quatro meses, não é por irresponsabilidade – é que a paciência chegou ao limite.
Convém recordar que, eclodida a crise internacional em 2008, foi o mercado interno que sustentou o crescimento do Brasil e a paz social. Mas quatro anos depois as dificuldades dos orçamentos familiares começam a se fazer sentir de forma marcante – uma perda de cerca de 30% em média. Nem quero abordar a questão dos planos de carreira, há tanto tempo esperados, nem os escandalosos e inaceitáveis desníveis salariais entre os servidores, que refletem um verdadeiro deboche e insulto quando se sabe que funcionários do Congresso Nacional, que servem café ou ascensoristas de elevadores, ganham muito mais que um professor universitário, com títulos acadêmicos e trabalhos de pesquisa importantes publicados. É um problema que vem de longe, mas a demagogia política, as corporações influentes, as leis mal feitas, fazem com que o escárnio salarial prossiga sem que uma solução seja oferecida para restaurar a justiça.
Existem investimentos que o governo federal e os governos estaduais, as prefeituras, precisam realizar urgentemente, principalmente os de infra-estrutura que condicionam o desempenho de todo o resto da economia. Mas alguns outros investimentos não são prioritários e correspondem mais aos desejos e a poderosa influência política de alguns grupos de empresários privilegiados. Com estes investimentos, não prioritários, passarão a ganhar muito mais do que atualmente.
Refiro-me aos 2 bilhões que gastamos com as Olimpíadas recém findas, onde o Brasil teve um rendimento global pífio. Refiro-me aos gastos que estão sendo feitos com a preparação da infra-estrutura física, (que estão atrasadas...), para sediarmos a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, (22 bilhões). Que tais eventos trarão projeção internacional para o país é verdade, com uma série de benefícios econômicos e políticos decorrentes importantes. Muito da nossa economia, a construção civil, por exemplo, aumentará os empregos e movimentará positivamente a produção em vários outros setores. Mas já ensinava um antigo adágio popular; “quem não tem competência não se estabeleça”...
Não venham com a desculpa esfarrapada de que são itens de orçamento diferentes, pois orçamentos podem ser reformulados. O que não se pode é tolerar, sem pelo menos um protesto veemente, que se faça uma Copa do Mundo e uma Olimpíada com os funcionários públicos “pagando” as obras que se fazem necessárias, com seus minguados salários, sem aumento. Viva a juventude que se divertirá de qualquer maneira, salve a rede hoteleira que ganhará muito dinheiro, vivas para os aeroportos que serão modernizados, alegria para o comércio que irá faturar muito com os eventos. Que se danem os funcionários públicos, civis e militares, os da ativa e os aposentados, pois o Brasil e os “espertos” que vão lucrar não podem perder esta oportunidade de ouro...
Suspendam a Copa e as Olimpíadas e paguem um salário um pouco mais digno para aqueles que carregam o Brasil nas costas, ou já fizeram isso quando eram mais jovens. Os funcionários públicos são muito criticados – de incompetentes a corruptos – numa generalização errada e profundamente injusta e maldosa. O que seria deste país se não fossem os funcionários públicos, a maioria honesta e que trabalha, silenciosamente, para que o Brasil não pare – só são notados que existem quando fazem greve... Justiça e bom senso, (e um pouco de vergonha na cara por parte dos governantes), é que os funcionários públicos esperam.

Eurico de Andrade Neves Borba, 72 anos, funcionário publico aposentado.
eanbrs@uol.com.br

Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 24/08/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Eurico de Andrade Neves Borba; eanbrs@uol.com.br). Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras