Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

A Revolução de 1964
A Revolução de 1964


Creio ser necessário tecer alguns comentários sobre a Revolução de 1964 que, breve, completará cinqüenta anos. Algumas notícias recentes ligadas àquele fato histórico, como a exumação dos restos mortais do ex-presidente João Goulart, as ações da Comissão da Verdade, a anulação da sessão do Congresso Nacional que destituiu Jango, e tantas outras manifestações de repudio ao movimento político, com nítido desdém para com os militares, levam-me a tentar esclarecer, aos que não viveram naqueles dias, um pouco da verdade histórica de tal forma que as criticas sejam mais serenas e justas. À época, com meus 23 anos de idade, estudante da PUC – Rio, participei ativamente dos movimentos de rua - os que apoiavam o governo de Jango e nós que nos opúnhamos ao que estava acontecendo.
É necessário que se volte ao passado e se relembre, com honestidade, o que estava ocorrendo no Brasil e no mundo, o ambiente sócio político que condicionava nossos pensamentos e ações. Geralmente se julga o passado com as categorias políticas atuais, esquecendo que há meio século as condições eram muito distintas. Só assim procedendo seremos capazes de, hoje, fazer um julgamento justo sobre o movimento revolucionário liderado pelos militares, mas apoiado, inequivocamente, pela maioria da população brasileira - políticos, empresários, religiosos, imprensa e estudantes. Havia a onipresença da “guerra fria”, conflito ideológico entre a extinta União Soviética e os Estados Unidos e Europa Ocidental, com ramificações de apoio dos governos e das populações do mundo periférico dos demais continentes. Fidel Castro entusiasmava jovens e trabalhadores, mostrando que era possível mudar um país pela via do socialismo marxista. Esse era o quadro em que vivíamos, discutíamos e nos posicionávamos. Esse era o pano de fundo real, o ambiente político verdadeiro no qual aconteceu a Revolução de 1964. Na América Latina, no Brasil em particular, simplificavam-se as atitudes: eram os “comunistas” de um lado e os “democratas” do outro, e boa parte da população sentia, sabia, que se jogava, então, o futuro do país.
O Presidente João Goulart, assessorado por uma equipe de nítida opção pela esquerda socialista marxista, incompetente, sem liderança popular expressiva, era conduzido pelos acontecimentos que, nas ruas, ganhavam expressão ruidosa e atemorizadora – interessante como não se comenta a atitude truculenta e totalitária da esquerda socialista com suas propostas também revolucionárias...  A oposição, com Carlos Lacerda à frente, apoiado por jornais como O Globo (RJ), o Estado de São Paulo (SP), o Correio do Povo (RS), Diário de Pernambuco (PE) e o Estado de Minas (MG), e tantos outros, criticava as propostas socializantes, a criação de uma republica sindicalista, as reformas de base a serem conduzidas “na lei ou na marra”, as tentativas de desestruturação das forças armadas, principalmente com o aliciamento de sargentos e suboficiais desde 1961. Essas propostas, que levariam o Brasil à guerra civil, eram inaceitáveis pela maioria da sociedade, que iniciou a construção de formas de resistência várias a partir de 1963: editoriais nos jornais, discursos no Congresso Nacional, confrontação entre estudantes nas reuniões da UNE e passeatas nas grandes capitais. A gota d’água foi a precipitação da esquerda, que já se considerava vencedora, de provocar a “revolta dos marinheiros”, reunidos num sindicato no centro da cidade do Rio de Janeiro e, logo depois, uma reunião de sargentos das três forças armadas contestando a ordem democrática vigente, com a presença de João Goulart. Em menos de uma semana, caiu o Presidente e ruiu toda a “estrutura revolucionária” da esquerda que se dizia imbatível, instalando-se o regime militar de exceção, que durou vinte anos.
Os militares e os milhares de civis que os apoiaram estavam certos ao se anteciparem à aventura ditatorial da esquerda, que, certamente, viria com Jango ou sem ele, (não nos esqueçamos de Brizola). Foi, sim, uma contra revolução preventiva. Os erros começaram com AI 2 e o AI 5, com a extinção dos partidos políticos, a censura, as cassações, a abominável tortura, as prisões, a doutrina da segurança nacional, a cristalização do poder militar com ingerência, indesculpável, em todas as áreas da vida nacional. Caso os militares não tivessem interrompido as eleições previstas para 1965, com a quase certa vitória de Juscelino Kubitschek, sofrimentos e arbitrariedades teriam sido evitados. Foi esse o momento em que muitos que haviam apoiado a Revolução de 64 se bandearam para a oposição, inclusive eu.
Relembre-se, de passagem, que não foram, como nos nossos dias se quer fazer crer, os guerrilheiros e guerrilheiras que restauraram a democracia no Brasil, chegando-se à Constituição cidadã de 1988, (eles, ao contrário, retardaram o processo de democratização). Foram, sim, as ações de políticos, como Franco Montoro, Tancredo Neves, José Richa, Mario Covas, Marco Maciel, Teotônio Vilela e tantos outros, a Igreja Católica e os artigos de jornalistas do teor de um Carlos Castelo Branco e de Villas Boas Correa, que despertaram, novamente, a população para a necessidade de se restabelecer a democracia plena no país – uma exigência incapaz de ser desconsiderada pelos então detentores do poder.
Por fim, não posso deixar de propor um tema para a reflexão dos cidadãos e cidadãs responsáveis: - 2014 será um ano de eleições gerais, a oportunidade democrática do povo, pelo voto, de substituir partidos ridículos e essa maioria de políticos incompetentes e corruptos por uma nova geração de cidadãos honestos e capazes, dispostos a transformar o Brasil numa grande nação, sonho que persiste inconcluso desde a independência. O povo é o protagonista maior, o elemento decisivo nesta “revolução” que se quer há muito tempo. Optemos por esta alternativa constitucional para afastar a possibilidade de outra experiência autoritária. É bem provável que o povo novamente se levante, com o apoio dos militares, para por fim às tentativas de imposição de uma ordem política socialista totalitária, algo ultrapassado e contrário aos interesses de homens e mulheres que se querem livres.
Que a honestidade, o bom senso, a competência e a responsabilidade histórica voltem às mentes dos políticos, para que se possa fazer deste querido Brasil uma terra de paz, de justiça, de prosperidade equitativamente dividida, de solidariedade e de plenitude democrática.

Eurico de Andrade Neves Borba, 73, aposentado, é escritor

Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 02/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras