Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Ano Novo
Ano Novo


Noite terrível que marca, implacavelmente, o tempo passando.
Não é possível fingir não perceber – a noite e o tempo escoando:
são fogos de artifício, musicas estridentes, sorrisos e gargalhadas,
buzinas, roupas brancas que não permitem esquecer a data.
É obrigatório parecer feliz para não destoar, para não aborrecer,
com fisionomia triste, a “alegria” dos outros, que reclamarão e comentarão
o chato que não quer se alegrar.
Retirar-se para um canto sossegado é ressaltar a não presença, então
é preferível permanecer no meio da multidão bebendo, comendo ano após ano
as mesmas comidas, acreditando nas mesmas crendices idiotas,
conversando sobre nada mas rindo, convincentemente, o tempo todo.
Esperar a hora mágica da virada do ano e então
abraçar, beijar e dizer com emoção: “feliz ano novo...”,
mesmo para desconhecidos.
Não se atreva insinuar que tua vida é uma merda sem sentido,
uma sucessão de fracassos e desilusões, de esperas desesperadas,
de encontros em que os outros nunca vão.
Ninguém vai querer ouvir e vão te criticar e te rejeitar ainda mais.
Agora já falta pouco para poder voltar a dormir e a pensar na vida,
e também na morte, que não vem.
Tudo permanecerá igual.  E lá vou eu, novamente, arrastar
a carcaça da minha pessoa,
em frangalhos e desesperançada - tão destoante das demais,
pelas folhas todas do calendário: semana a semana, mês a mês, dia a dia,
esperando uma novidade qualquer, (não há outra alternativa...),
que anime os próximos passos.
Quem sabe, novamente, experimentar uma oração que oriente e conforte. Quem sabe...


Eurico de Andrade Neves Borba, 73, Ana Rech, Ano Novo de 2013/2014
Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 31/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras