Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Um pressuposto pouco mencionado...
Um pressuposto pouco mencionado.
Publicado no Correio Riograndense de 4/2/2015

Assusta-me verificar que a responsabilidade ética pessoal é assunto não mencionado nas discussões sobre as tumultuadas sociedades contemporâneas. O óbvio é esquecido como se, por ser óbvio, não precisasse ser lembrado como variável determinante na solução dos vários problemas que nos afligem. A crise global, a crise do Humanismo, nos conduz a tentar recuperar o debate sobre a ética como elemento também de responsabilidade individual e não apenas como ingrediente histórico de Leis, resultado de lutas sociais do passado.
No contexto atual parece que a questão ética – “fazer o bem e evitar o mal”- se resolve em não ser flagrado na violação de uma lei e preso. Não foi assim que a humanidade evoluiu: a crença em determinados valores éticos permitiu a existência de um ambiente social, com densidade moral suficiente, para que prevalecesse o bem e o processo civilizatório avançasse.
Por mais que se providencie leis punitivas, por mais que a polícia e as instituições responsáveis pela sua observância sejam aperfeiçoadas, muitos cidadãos sempre encontrarão formas de contornar as leis e se beneficiar de atos ilícitos. Viveríamos a ditadura de sistemas políticos com legislação abundante, cada vez mais detalhada, com vistas a punir os malfeitores flagrados. A honestidade deixaria de ser o estado de vida humana naturalmente correta, mas uma maneira de viver condicionada pelo medo de ser surpreendido em erro e punido.
Não me ocorre alternativa para o caos moral em que vivemos, a não ser um radical processo de conversão e convencimento individual, que deve ser providenciado, como historicamente aconteceu, pelas religiões. Aderir aos ensinamentos pregados requer coragem e fé. Tal comprometimento, nos dias atuais, não é visto como uma atitude “politicamente correta”, pelo contrário, é considerado um não amadurecimento intelectual ou um escapismo psicológico. Tem-se vergonha de justificar uma opção política, um estilo de vida, como decorrência de uma crença religiosa.
Os cidadãos e cidadãs, no Brasil e nas várias sociedades, não podem deixar de refletir sobre a responsabilidade de cada um na construção de um mundo melhor, regido por Leis mas também pela determinação ética da cada um de respeitar o próximo, irmãos e irmãs de uma mesma caminhadas. Mais do que a maciça propaganda dos “trios elétricos”, que incitam à aceitação e ao apoio de idéias políticas vazias de conteúdo humano e de competência operacional, voltemos a escutar, por alguns instantes, os inspiradores antigos sinos das igrejas...

Eurico Borba, escritor, 74, ex-professor da PUC RIO e ex Presidente do IBGE, mora em Ana Rech.
Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 11/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras