Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Eleições Diretas Já
                          Eleições Diretas Já

Publicado no jornal O Globo, 12/06/2016, RJ

A política num país democrático é o único caminho para a concretização dos sonhos coletivos. Isto é um fato e uma verdade. No entanto, com a indecência preponderando, com a multiplicidade de tolas idéias conflitantes, com a gravidade dos problemas econômicos e sociais, estabeleceu-se um grande tumulto de opiniões inconclusivas.
Desconfio, entretanto, que um tênue fio de luz esclarecedora possa surgir do ensinamento de velhos mestres, já esquecidos. Refiro-me àqueles que conheci: Alceu de Amoroso Lima, Raul Pilla, Franco Montoro, Ulysses Guimarães, Afonso Arinos e Tancredo Neves. Além de sólida cultura filosófica, histórica, jurídica e literária, também militaram na política com sucesso e exemplar testemunho. O que os distinguia dos demais? O que me leva a lembrá-los como sinais de uma possível alternativa para a nossa pátria? Em primeiro lugar a elegância de conduta, a dignidade pessoal e o patriotismo de todos eles – lideres nacionais. Depois, com o auxílio de uma única palavra auto-esclarecedora, procuro resumir a bandeira de luta de cada um: Alceu a ética, Pilla o parlamentarismo, Montoro a solidariedade, Ulysses a persistência, Arinos a independência e Tancredo a democracia. Como eles fazem falta hoje em dia...
Não tratavam de metas mensuráveis por estatísticas: baixar a inflação, diminuir o desemprego, crescer a produção. Não. Lidavam com princípios, pressupostos que se adotados pela maioria da população conduziria, inevitavelmente, o Brasil ao desenvolvimento integral, à educação de qualidade, à justiça social, à proteção ambiental, à paz internacional. Eles estavam certos, eles perceberam a sabedoria da construção humanista da história e dela foram protagonistas. Seus chamamentos, que as pessoas na sua maioria adere pelo simples fato de ser um apelo lógico e natural à essência do humano: a liberdade cooperativa.
É tudo muito diferente do que hoje se percebe no mundo político: pobreza intelectual, amoralidade, corrupção sistêmica, egoísmo, mentira institucionalizada, prevalência do individualismo. O pior é que os atuais políticos se consideram ungidos pela racionalidade e objetividade – só eles sabem interpretar e operar a máquina da política. Ninguém mais. Quem pensa ao contrário é afastado e desmerecido com raciocínios simplistas do tipo: é um sonhador ingênuo, não percebe que o povo é imediatista e pensam “com o estomago e com o bolso”, os políticos é que sabem como conciliar os sonhos com a realidade, pois, só eles são realistas... O eleitorado deixa-se levar pela demagogia sedutora dos marqueteiros amorais à serviço da política – que vendem de sabonetes a candidatos.
Triste o futuro que nos aguarda nas mãos dessas pessoas desonestas e irresponsáveis – que não sabem sonhar nem aliviar os sofrimentos da sociedade. Não propõem nada de novo para solucionar os graves problemas que o futuro claramente aponta, pois são incompetentes e, corruptos. Será que a atual classe política dominante esperará para sair de cena até o instante em que a sociedade, em fúria, os ponha para correr debaixo de bofetões? Saibam que o povo brasileiro está muito próximo desta medida extrema. Uma revolução anárquica, sem bandeira e sem liderança, mas, certamente, um radical basta ao deboche institucionalizado que impera.
Por tudo isso é que continuo a insistir, acreditando que, apesar de um processo de difícil condução, ser a melhor solução para a nossa pátria estas eleições gerais já, para o nível federal. Alertado pela gravidade da atual situação e dos últimos acontecimentos o eleitorado saberá votar com sabedoria e responsabilidade: poucos partidos novos, caras novas honestas e competentes, no legislativo e no executivo, tendo como guias de suas vidas publicas os pressupostos da dignidade, da ética, da justiça social, da liberdade e da democracia que nossos antepassados nos legaram. Precisamos, sob pena de nos esfacelarmos como nação, voltar a sonhar e saber tocar a realidade com a luz dos nossos sonhos.

Eurico Borba, 75, aposentado, escritor, Ana Rech, Caxias do Sul, RS.

Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 12/06/2016
Alterado em 28/08/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras