Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Ora direi ouvir estrelas...

Ora direis ouvir estrelas...

Publicado em 11/10/2016 no O Globo, RJ.

Estes são versos de Olavo Bilac: “Ora direis ouvir estrelas! Certo, perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto, que, para ouvi-las, muita vez desperto e abro as janelas, pálido de espanto e conversamos toda a noite...”. Mais adiante Mario Quintana, escreveu: “Se as coisas são inatingíveis... ora! Não é motivo para não querê-las... Que tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas!”
Saint-John Perse ao receber o Premio Nobel de literatura de 1960 afirmou, com extrema sensibilidade e sabedoria: “...se a poesia não é, como se disse, o ‘real absoluto’, é certamente a mais próxima apreensão desse real, nesse limite extremo de cumplicidade em que , no poema, o real parece informar-se a si mesmo”.
Os tempos atuais estão tão confusos que irrompe a convicção da necessidade de voltarmos a olhar as estrelas em busca de inspiração. São tantas as informações que se recebe que já não se sabe discernir o que é importante para a felicidade dos povos.
Valores éticos são como estrelas no céu social – inspiram e indicam direções seguras e permanentes para a construção do “Humanismo Integral” – a história orientada para a promoção da dignidade da pessoa humana. Voltemos a contemplá-las como se faz com as outras estrelas: - olhem a constelação da justiça! prestem atenção no conglomerado da liberdade! não deixem de contemplar o esplendor do conjunto da democracia! cantemos a beleza luminosa da galáxia da paz! não esqueçamos de nos extasiarmos com o cintilante cinturão da solidariedade!
Muito mais importante do que taxas de inflação, de criminalidade, índices de desemprego, indicadores de poupança e de desenvolvimento, de leis que regulamentem as migrações e o comercio internacional, é o conhecimento e a crença arraigada nos valores éticos explicitados ao longo dos séculos, por uma humanidade sequiosa de poder viver em sociedades que proporcionem, a todos, oportunidades de felicidade, justiça, liberdade e segurança. Tais progressivas explicitações da democracia, fruto da liberdade e da racionalidade humana, são as fontes seguras de permanente inspiração para o aperfeiçoamento do viver coletivo. Na procura de soluções para os graves problemas que se avolumam precisamos voltar a sonhar, centrando nossas atenções nas estrelas do céu social, os seguros faróis dos povos. Recorrer a elas nestes momentos de confusão e perplexidade, não como mais uma alternativa a ser tentada, mas como a única verdadeira solução possível.
As religiões cristãs deveriam estar à frente desta campanha de recuperação do espirito do “Humanismo Integral”. Os historiadores são praticamente unanimes em ensinar que a Europa, berço da nossa Civilização Ocidental, é culturalmente, nos seus fundamentos, essencialmente judaico-cristã. Resta recuperar esta fonte inicial de inspiração para, só então, procurarmos equacionar, com lógica, os problemas concretos das nossas sociedades.
Os sonhos coletivos necessariamente precedem as ações políticas. É importante que possamos voltar a sonhar com fé, alegria e esperanças.
Enquanto não realizarmos uma revolução educacional de qualidade e uma reforma politica radical, que possibilite o mais efetivo acesso ao poder dos melhores e mais competentes candidatos, principalmente no poder legislativo – “o supremo poder” – recuperando a prevalência, no ambiente cultural dos nossos dias, dos pressupostos éticos que conformaram a nossa civilização, não sairemos da miserável, desesperançada e triste situação em que atualmente vivemos.

Eurico Borba, 76,  escritor, foi Presidente do IBGE, mora em Ana Rech, Caxias do Sul-RS.

Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 11/10/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras