Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Aborto, a decisão equivocada de um magistrado.

Aborto, a decisão equivocada de um magistrado.

Publicado no blog Diário do Poder, DF, em 5/12/2016

A decisão de um Ministro do Supremo Tribunal Federal, pelo qual tenho a maior admiração e respeito, num momento tumultuado da vida nacional onde valores éticos estão sendo esquecidos e o caos social se instala com rapidez, sem que se tenha uma orientação segura do rumo a ser seguido, uma decisão que afeta a concepção basilar da cultura da Civilização Ocidental, que é a sacralidade do mistério da vida, não pode se deixar passar, sem contestação, a sentença do nobre magistrado.
Ensina a ciência que com a fecundação, no instante em que o espermatozoide penetra o óvulo, num ambiente propício para o desenvolvimento da célula que acabou de ser formada, o útero feminino, nove meses depois nascerá uma pessoa, plena de dignidade, de potencialidades e direitos que precisam ser respeitados desde o momento inicial da sua concepção.
Isto não é uma imposição religiosa: é um fato jurídico – direitos do feto e a obrigação da sociedade de promovê-los e protege-los. Ficar discutindo se a pessoa só surge quando o feto manifestar consciência, ou quando tem seus sistemas vitais definidos, fixando-se este momento em três meses de gestação, além de ser ridícula pretensão científica é fugir da questão central com argumentos frágeis. Deixem o óvulo fecundado em paz, no ventre materno, e um ser humano pleno de dignidade nascerá no tempo devido.
Tudo o mais que se disser é argumentação errada para explicar a desinformação ou o egoísmo irresponsável da mulher grávida, tentando justificar um assassinato. É correto afirmar, como fez o ilustre magistrado, que as mulheres pobres, sem informações e acesso aos mecanismos protetores são mais vulneráveis a uma indesejada gravidez. Mas isso é outra questão a ser debatida e providenciada por politicas publicas adequadas.
É verdade que todos os homens e mulheres decidem sobre os seus corpos. No entanto, a mulher que engravida, por descuido ou desinformação, queira ou não passa a ser responsável pela vida e desenvolvimento do novo cidadão que carrega consigo – a mãe pode não desejar o seu filho, mas aquele ser tem o direito de existir, de viver, desde o momento da fecundação. É preciso sempre respeitar o outro, até um cidadão feto
As atuais autorizações legais para a realização de abortos não pretendo discutir. A questão que se coloca no momento é uma decisão do Supremo Tribunal Federal que abre as portas para o aborto sempre que desejado. Sem apelar para exageros de raciocínio demagógico, mas apenas seguindo a lógica do que está sendo imposto à sociedade brasileira, podemos prever para um futuro não muito longínquo o aborto de fetos que não atendam aos requisitos especificados pelos pais quanto a altura, peso, cor dos olhos e dos cabelos, QI, fatos que o extraordinário avanço da genética já permite com a realização de exames prévios. Os idosos, que sobrecarregam os sistemas de previdência social e os planos e saúde, bem como as famílias atribuladas pelos seus inúmeros afazeres, pelo mesmo princípio da “indesejabilidade” poderão ter suas mortes antecipadas pela “caridosa decisão e ação” de uma sociedade cada vez mais individualista e utilitarista. Ser contra o aborto é, como já foi dito com sabedoria, "dar voz aos cidadãos e cidadãs que ainda não tem voz...". O mistério da vida humana é sagrado.

Eurico Borba, 76, ex-professor da PUC RIO, ex-presidente do IBGE, escritor, Caxias do Sul.
Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 05/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras