Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

O limite do deboche e da esculhambação

O limite do deboche e da esculhambação.
Publicado no blog Diário do Poder, Brasília-DF, de 22/12/2016

Li, hoje dia 21/12/2016 na internet, a notícia de uma senhora, professora aposentada de 70 anos, que tentou atear fogo no seu corpo dentro de uma agência bancária em Pelotas-RS, desesperada por não ter sua aposentadoria depositada. Vi pela TV um bando de desinformados arruaceiros ou revolucionários ultrapassados tentando, com grande agressividade, não permitir a votação de medidas econômicas e administrativas que melhorarão, um pouco, as finanças dos estados do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul. Vi foto de policiais militares acampados na frente do palácio do governo estadual em Belo Horizonte. A cada momento somos informados de assaltos à mão armada em todos os recantos do Brasil, (em 2015, 58.589 pessoas perderam a vida no Brasil em “crimes violentos letais intencionais”, segundo anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Publica). Constata-se que o poder do tráfico de drogas cresce dia a dia com ousadia e tranquilidade, confrontando os Poderes da Republica e expondo os cidadãos a ainda mais violência e insegurança.
Agora, ter de engolir que a Lei aprovada na tarde do dia 20/12, pela Câmara de Deputados, como alternativa para que os estados falidos possam voltar a respirar por mais algum tempo e, para tanto, fosse necessário aceitar as emendas do PT, garantindo o quórum necessário, é um escarnio inadmissível contra o povo. A bancada do governo, na sua maioria, não compareceu, nem o líder do governo estava no plenário.
É um deboche esta grande esculhambação nacional. Basta.
Não entendo como os políticos e muitos brasileiros não perceberam que o Brasil está destroçado e faliu junto com a quase a totalidade dos estados e municípios. Somente com a adoção de medidas muito duras, que atingirão a toda população, poderemos pensar, em alguns anos, sair da gravíssima crise que estamos a viver. Tudo isso obra do PT - corrupto, mentiroso e incompetente – que, junto com seus comparsas do PSOL e do PCdoB, continuam a enganar a população com seus discursos e palavras de ordem sem nenhum sentido, a não ser de insuflar a conflagração social, que já está perigosamente nas ruas e agrava-se a cada dia.
O que mais é necessário fazer para que essa corja da maioria dos deputados e senadores se convença de que é preciso ser honesto e competente, pelo menos agora, nesta hora trágica para a nacionalidade? Uma guerra civil que está aí pronta para estourar a qualquer instante, com suas dramáticas consequências? O retorno constitucional dos militares para restaurar a ordem publica presentemente violentada em múltiplos, evidentes e conhecidos aspectos? Convém ter presente o art.142 da nossa Constituição Federal: “As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.” Convocadas pelo Poder Judiciário, o único Poder que hoje se apresenta e se comporta com dignidade e competência?
Alguma coisa muito séria acontecerá em breve. Abusaram demais com a esculhambação e com o desrespeito para com o povo brasileiro honesto, ordeiro e democrático que não aguenta mais o que está vendo e sentindo. Os políticos atualmente em cena, em todos os níveis de representação, serão os responsáveis pelo o que acontecer. Eleições gerais já.

Eurico Borba, 76, aposentado, ex-professor da PUC RIO, ex-Presidente do IBGE, Ana Rech, Caxias do Sul-RS

Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 22/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras