Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Carlos Borba

Carlos Borba

Faleceu aos 95 anos, dia 27 de janeiro no Rio de Janeiro, o Capitão de Mar e Guerra, comandante Carlos Borba, meu irmão mais velho e meu padrinho. Filho dos já falecidos General de Divisão Médico Bonifácio Borba e de Elvira de Andrade Neves Borba, passou sua infância e adolescência entre Rio Pardo, Santa Maria e Porto Alegre. Declarado oficial da turma da Escola Naval de junho de 1943 participou da 2ª Guerra Mundial como oficial do contratorpedeiro, o Bocaina. Em 1947 foi aos Estados Unidos, já Capitão Tenente, trazendo, como imediato, um dos rebocadores de alto mar da Marinha, o Trinfo. Voltou aos Estados Unidos para treinar os tripulantes que trouxeram os cruzadores Tamandaré e Barroso, em 1952, nas novas técnicas de “controle de avarias e combate aos incêndios”, escrevendo um livro sobre o assunto que passou a ser texto sobre a questão, por décadas, da Marinha brasileira. Comandou o Contratorpedeiro Bertioga, a Base Naval de Natal e o Centro de Armamento da Marinha. Passando para a reserva, em 1972 foi diretor da Companhia de Navegação Loide Brasileiro e representante da Sunamam no Japão por três anos em 1980. Escreveu o livro Guardas Marinha vão a Guerra. Aposentado dedicou-se ao escotismo ensinando jovens de Niteroi, até recentemente, manobras, a vela e a remo, com embarcações de pequeno porte. Como Chefe Escoteiro, criou, em 1985, o Centro Cultural do Movimento Escoteiro, do qual foi Diretor até 2005. Casado por 68 anos com Hilma tiveram 7 filhos e filhas, 18 netos e 20 bisnetos.  
Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 30/01/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras