Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Amar o próximo

Amar o próximo

Publicado blog Diário do Poder, Brasília, de 30 de agosto.

Assisti, num dos raros bons programas da nossa televisão, o Globo News Painel de cinco de agosto, uma cientista politica paulista recém voltando de uma viagem a Israel e que ouviu, de um analista politico israelense, uma observação que a impactara, pois verificara que podia se aplicar à realidade da crise brasileira. Disse o israelense: “a elite de Israel ama o povo de Israel”.
Eu fique impactado. Percebi, nos desdobramentos do raciocínio sobre a instigante sentença, vários traços sociológicos, antropológicos e históricos apontando para uma verdade. A elite israelense, independente de ser capitalista, marxista, trabalhista, ambientalista, pacifista, e o muito mais que só as ágeis mentes dos descendentes de Abrahão são capazes de produzir, ama seu território histórico e seus irmãos e irmãs que residem naquele atribulado pedaço de terra, e também àqueles que, fruto da diáspora, permanecem espalhados por todo o planeta. Um amor que também se manifesta como efetivo respeito, cuidado e reverencia para com as instituições publicas democráticas que garantem a concretude dos valores nacionais, construídos no decorrer de séculos de exílio, assegurando a liberdade, a justiça e a preservação daquela cultura. Este traço cultural unificador da nação se manifesta por meio de atitudes concretas de maciço suporte financeiro para a construção e manutenção de universidades, museus, hospitais, centro de pesquisas e reservas naturais.
Que tristeza comparar com o comportamento da elite brasileira. Uso, aqui, a expressão elite para designar o grupo de pessoas ricas e também a maioria daquelas que se destacam na politica dependendo no entanto, para se elegerem e se reelegerem, da malfadada elite que é o segmento social que efetivamente determina o presente e o futuro do país, que detém o efetivo poder politico e econômico. Com raras exceções, o que se percebe é uma classe constituída de idiotas intelectuais que tem na corrupção, (o jeitinho brasileiro?), o seu método de trabalho. Seus objetivos são a riqueza e o poder politico para facilitar seus negócios. Boa parte se aparta do restante da sociedade brasileira para residir em condomínios exclusivos, frequentam shoppings e restaurantes distintos a título de segurança, e ostenta, de forma ridícula, a despudorada explicita intenção de morar no exterior, passando pelo Brasil apenas para “acertos políticos” e para “raspar” seus ganhos... Antes a moda era morar em Paris, depois Nova Iorque, agora é Miami.
Triste o nosso país. Sórdida essa nossa elite que não lidera para o bem, mas que se sente confortável na cloaca que criou para poder continuar a usufruir seu poder e seus lucros. Não podemos contar com esta classe para reconstruir o Brasil
O povo que se dane ou que migre – as nossas elites não demonstram nenhum compromisso, nenhum amor pelos seus concidadãos: - uma “elite de merda”...

Eurico de Andrade Neves Borba, 76, escritor, aposentado, ex-professor e Vice Reitor da PUC RIO, ex-Presidente do IBGE, mora em Caxias do Sul
Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 30/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras