Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Como enfrentar o fim dos postos de trabalho

Em duas décadas estaremos vivendo uma trágica situação social, politica e econômica, para a qual ainda não temos nem reflexões adequadas para compreendê-la, nem proposições de ações cooperativas para superá-la. Refiro-me ao atual crescimento do que se chama “big data”, (extraordinário volume de informações sobre tudo, armazenados em computadores que se intercomunicam), e aos trabalhos sobre a “inteligência artificial”, que utilizando a matemática e processadores cada vez mais velozes e do “big data”, impactam a informática e a robótica criando máquinas e processos produtivos que desempregam pessoas de forma irreversível. Como consequência teremos de conviver, ao mesmo tempo, um momento terrível e decisivo da história da humanidade, nunca previsto: o aumento das diferenças de rendimento entre pessoas e regiões do planeta; a impotência dos atuais pressupostos e instrumentos democráticos de representação e de tomada de decisões; um ambiente de progressiva deterioração ambiental; uma maioria de pessoas mal formadas intelectualmente conduzidas por uma minoria de mentes brilhantes com alto nível de formação intelectual – a futura classe dominante; a diminuição das presenças das Igrejas históricas, cada vez mais deslocadas do mundo real da ciência e da técnica, incapazes de oferecerem reflexões morais para populações desnorteadas; fatos que colocarão em risco a própria vida humana e a convivência pacífica e organizada das sociedades.
As pessoas sempre trabalharam. O trabalho é a expressão maior de suas existências no mundo. Sobre os frutos do trabalho  civilizações foram desenvolvidas. Os cristãos acreditam que, pelo trabalho, as pessoas participam, com o Criador, da construção do Cosmo. João Paulo II, em 1981, com sua Encíclica Laborem Exercens, sobre o trabalho, ensinava que o “trabalho é a chave principal da questão social”.
Há uma saída: volta às crenças religiosas da Transcendência e da dignidade inerente a todas as pessoas, fato que deverá conduzir, pela educação, a uma politica global de solidariedade, reorganizando as sociedades, garantido a liberdade e a justiça.

Eurico de Andrade Neves Borba, 77, aposentado, escritor, ex professor e Vice Reitor da PUC RIO, ex Presidente do IBGE, mora em Caxias do Sul.


Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 10/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras