Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Regular o mercado livre?

Regular o mercado livre?

Publicado no jornal Zero Hora de 25/06/2018

Não é uma contradição.
O mercado é fruto da liberdade e da necessidade do viver coletivo, emitindo sinais sobre as intenções de consumo de bens e serviços, estimulando a produção e a oferta dos mesmos em troca de algum tipo de moeda.
Na Civilização Ocidental a economia, a democracia e a justiça cresceram juntas. Neste ambiente sócio-político-econômico-jurídico também se expandiu o desenvolvimento científico e tecnológico.
O mercado está em risco, na sua função de livre sinalizador das intenções de oferta e demanda, pois a inteligência artificial, “big data”, supercomputadores e robótica estão “patrulhando” os consumidores, praticamente determinando suas decisões sobre o que comprar, com o auxilio das técnicas de marketing, que se fundamentam em estudos de psicologia social e da inteligência artificial (algoritmos).
O mercado precisa voltar a cumprir suas funções e para tanto deve ser regulado. O Estado é o responsável pelo bem comum. O funcionamento livre do mercado é o inicio do processo democrático de convivência, providenciando todos os demais ingredientes do bem comum. Precisa-se de Leis e normas regulando a oferta e a demanda, de tal forma que garantam a liberdade dos consumidores de escolherem, conscientemente, os bens e serviços necessários às suas vidas.
Tal regulação deverá ser feita pelos cidadãos. Para tal complexa questão não há como a decisão ser tomada pela totalidade do eleitorado, mas sim por seus representantes qualificados.
Em 2013 o norte americano Sr. Snowdem denunciou as escutas telefônicas e o acesso aos e-mails e watsapp das pessoas, empresas e governos, em todo o mundo, a partir da captação de palavras chaves por satélites. Agora em 2018 é o Facebook que está encrencado com o Senado americano, com a justiça do Reino Unido e com o Parlamento Europeu pelo uso de milhões de informações personalizadas, para fins de condicionamento do consumo e de direcionamento da vontade politica em eleições.
Não é ficção científica. São questões da mais absoluta urgência e importância para o futuro da humanidade que se quer livre, justa e democrática.

Eurico Borba, 77, aposentado, escritor, ex professor da PUC RIO, ex Presidente do IBGE, pré-candidato ao Senado pelo PSDB/RS, mora em Caxias do Sul.
Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 25/06/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras