Eurico Borba, Relexões sobre a Crise Global ......

Sociologia´, Política e Religião

Textos

Yeda Borba Araujo

Yeda Borba Araujo

Dia 19 de dezembro passado faleceu minha irmã Yeda, aos 87 anos.
Filha, esposa, mãe, sogra, (sessenta e dois anos de casamento com o Luiz Carlos Araujo, outra figura fantástica), avó, irmã, tia, prima, amiga de muitas outras pessoas, casais que cultivavam a amizade se visitando e conversando, gostoso de ver e de se sentir aquela união de pessoas que se queriam bem. Viveu para cuidar das pessoas que a cercavam, de mim, por exemplo, caçula de uma turma de sete irmãos e irmãs. Cuidou, com carinho, de tias solteiras, cuidou da sogra, cuidou do papai e da mamãe, cuidou dos filhos. Agora eram as quatro netas e os dois netos que ocupavam seu mais alto nível de orgulho e alegrias: afirmava sempre: “são uns queridos, belas, bonitos, todos inteligentes, todos muito educados...”. Ficava feliz vendo as fotografias da família e contado histórias do que faziam. Luiz Carlos, seu amado marido, os três filhos, as noras e os netos eram objeto de amor permanente e preocupação carinhosa, incluindo aí os sobrinhos e amigos: “estão bem? já chegaram de viagem? melhorou do resfriado? está frio, agasalhem-se...”. Era notável sua preocupação com o bem estar e a felicidade de todos nós. Lembro-me, há anos, de chegar à sua casa e ver a sala, sempre impecavelmente arrumada, transformada numa bagunça de lençóis e brinquedos e ela sentada em barraca que montara, junto com as netas pequenas, fazendo “comidinhas” - outra Yeda. Telefonava sempre para saber como estávamos, lia os jornais e assistia os noticiosos atenta para a confusão dos nossos dias, com a corrupção e a violência. Sentia medo de “confusão nas ruas”– “que coisa horrorosa, será que não vão tomar uma providência?”.
Nossa Senhora dos Navegantes e a devoção ao Sagrado Coração de Jesus fortaleciam sua fé simples e exemplar. Seu testemunho de vida ficará na memória de todos nós. Sentirei muita falta do casal Yeda e Luiz Carlos, referencia de um porto seguro, de uma família de amor e carinho que souberam criar. Sentirei muita falta, como já sinto agora, do sinal da cruz que sempre fazia, nas despedidas, nas nossas testas. Sinal de fé e a extensão física do seu carinho e amor. Fica sua imagem tranquila, ficam as memórias de tantos momentos gostosos que tivemos, fica a certeza do nosso reencontro. Continue aí no Céu onde estás a cuidar da família. Precisaremos sempre da tua benção e do exemplo de amor e fé, querida irmã.
Eurico de Andrade Neves Borba
Enviado por Eurico de Andrade Neves Borba em 07/01/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras